quarta-feira, 20 de abril de 2011

Desabafss

Tenho medo da minha inteligência,
observo tanto me levo a depressão.
Tem dias de nervo e perco a paciência,
aperto meus punhos fechando a minha mão.
Gatilho pesado pronto pra atirar.
Um ódio guardado, não posso explicar.
Queria fugir, sumir desse lugar,
virar uma lenda e me mistificar.
Deitar entorpecido é bem mais natural;
levantar enfraquecido é o colateral.
Os dias vão passando não quero mais voltar;
o calendário do ano em brasas a passar.
Inércia, solvente, derrete a minha mente!
Fagulha, ilusão, acende o meu perdão!
Quem será o salvador?
Quem dirá que eu estou bem?
Apareça, por favor,
me transforme em alguém.
Absurdo corrosivo, alucinação.
Anti-depressivo acalma o coração.
Quem me dera poder saciar
meus dias feridos com pura liturgia.
Procurei a igreja encontrei satanás.
Afundei na poeira, sumi na geografia.
O mundo é oval
de um ouvido só.
Se brinca no seu sol
amanhã só resta o pó.
Ignorância ingrata,
pobres cheios de cria.
De terno e de gravata
os golpistas da democracia...
Sociedade civil atrofiada,
de permanente mente raquítica!
O reflexo do rosto do povo
se reflete nas águas do lago da política.
Não nos culpe em vão,
é ausência de abundância.
Roubo hoje pois me lembro,
passei fome na infância.
São os maus que derrotam os justos que governam?
Cadeira cativa na bancada do 'nada posso fazer!'.
O percentual de safados no planalto de Brasília
é o mesmo dentre o povo que preza pela família. 
Repousando suas bundas nas cadeiras do poder...
no Brasil é argumento: sou doutor de não sei o quê...
Ninguém viu os corruptos cairem de naves espaciais!
Criem teus filhos de maneira que tenham orgulho de seus pais.
Danilo R. Leite

Nenhum comentário:

Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 2.5 Brasil License