segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

Enxurrada de Emoção


Eu não sei o quanto se possa querer
sem saber que eu posso muito saber
eu peço ao universo todo poderoso
que me faça subir mais idoso
que me atenda a esse apelo
quisera ter, ser, poder mais
para nutrir as forças de jamais
Encubra meu rosto de amor
alegria, euforia e sabor
Partituras e cifras timbradas
claves e colcheias soltas ao ar
são folhas imóveis, presas
são leigas damas ao luar
generoso criador dos mares
nas marés me faça paz
seca minha sede desses bares
na rua da minha vida
na calçada dos meus sonhos
do meu sono no seu jardim
deixa que caia a toda
o temporal de amor que existe em mim
Me enfeite assim, de riso
diga ao meu poeta íntimo
de face áspera, peito liso
Acaba de vez com a tentação
enxurrada de emoção
abraça minha vida em sinfonia
minha alegria de voz e violão
Acalma minha fera, minha ferida
ardida de lembranças bonitas
pecados em sílabas finas
tiras de lírio de um coração
crescido na selva dos limites
nas seivas do amor sem razão
do sentimento selvagem
que não cobra passagem

2 comentários:

Victor Ramos Lacerda Santana disse...

Mais uma vez mandou muito bem.

Cativante o jeito de abordar a divindade, o romance e a boemia em versos.

E mais uma vez falo: "tem de virar canção".

Já tem cara de música, boas rimas e boa pitada de conhecimento, o que me chama a atenção.

Falando nisso tem um cara aí que já disputou o festival de Alegre, tem músicas sem letras e pelo que pude perceber é uma pessoa que a muito tempo num troca ideias sobre música por mais que seja um admirador e também num pega no violão a um tempo. Acredito que por falta de um empurrãzin.

Pergunto:

...seca minha sede desses bares...

Queres se afastar ???

Savio Gomes música&poesia disse...

Rapaz! Isto é um privilégio! Começar o ano com um poema deste teor, é um bom sinal!

"Encubra meu rosto de amor
alegria, euforia e sabor
Partituras e cifras timbradas
claves e colcheias soltas ao ar..."

Fiquei 'agarrado' neste achado literário, literalmente "hipnotizado" pela tecitura, pela beleza e harmonia do texto!

Um belíssimo e cálido poema, merecedor de leitura em voz alta e muita "viagem" lá pra dentro dos melhores sentimentos!
É poesia da boa, dessas que nos levam a achar a chuva que não pára, apenas um detalhe, acordes pra apreciar o paladar das palavras!

Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 2.5 Brasil License